Turnos Recentes

De regresso por uns minut...

Entre papeis...

Do Natal ao Ano Novo

Bom Natal...

Uma manhã caótica ....

Força de vontade

Medicina ou infecto conta...

As melhoras são boas de v...

In love

Desorientações à parte...

Turnos passados

Abril 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Web Counter
Free Counter
Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Desorientações à parte...

Ola a todos**

 

Tenho andado ausente porque a minha net as vezes tem um piripaco e não consigo estar cá muito tempo sem que ela vá abaixo... é um stress, mas pronto!!! Verdade é, também, que tempo para vir à internet não é muito. Temos o serviço a rebentar pelas costuras e ás vezes temos de fazer horas extra... aliás, turnos extra!! Portanto são constantes as 16h e aumenta o cansaço... chego a casa e só me apetece deitar e dormir, dormir e dormir...!!!

 

Neste momento lá no serviço temos muitos doentes que, geralmente, estão agitados. Gritam o dia todo, e, mesmo sem força para se manter de pé, tentam levantar-se e temos sempre de ter 1000 olhos para que eles não caiam da cama abaixo!!! 16horas nisto é, de facto, muito complicado, mais que não seja psicologicamente. E depois, temos os outros doentes, que estando  conscientes e orientados já não suportam os gritos dos outros... mas é complicado... têm de compreender que não podemos propriamente enfrascar os doentes de sedativos! Os gritos, para que entendam, não é de "aiai doi-me aqui ou acolá!" são gritos de pessoas desorientadas que não sabem onde estão, que chamam pela Maria e pelo José, que mandam toda a gente para os sitios menos aprazíveis, que gritam "óh da guarda!!!! Venha cá trazer-me o portão!!".... é complicado, mesmo explicando a estas pessoas que estão no hospital, que não está lá a Maria nem o José, que não podem gritar tanto porque há outras pessoas no quarto que precisam de descanso... eles simplesmente não entendem!!!

Que eles não entendam eu percebo, agora que as outras pessoas, como visitas, não entendam que eles não fazem de proposito já não encaro tão bem!!

Ainda ontem chegaram ao balcão de trabalho 3 familiares de diferentes doente, mas todos da mesma sala, a reclamar:

Familia1: Sra Enfª, está ali um doente no quarto 1 que está  há 1hora a gritar e a tentar levantar-se. Não tem respeito por ninguém e vocês não vão lá cala-lo!!!

Familia2: Pois, é uma dor de cabeça, nem sei porque permitem que fique aqui!

Familia 3: Devia estar numa sala propria!!!

Familia 1: Isto não pode ser, tem de o sedar, fazer-lhe qualquer coisa, já não o posso ouvir!!!

Familia3: Devia estar noutro hospital longe daqui, isto não é lugar para ele!!!

Eu (parva da vida): Pois, eu compreendo a vossa preocupação. O que é que ele está a gritar?

Familia1: Olhe, está para ali a dizer " Abram o portão para o cão entrar!!! Oh Maria, tras a comida ao cão!!!"

Eu: O sr está desorientado. Como dá para perceber ele não sabe onde está, mesmo que lhe digamos. Já lhe demos medicação para acalmar, mas não podemos dar lhe em excesso senão o senhor fica muito adormecido e não lhe faz bem.

Familia: Pois, mas estes doentes não deviam estar aqui!!!

Eu: Este senhor está cá com tanto direito como o seu familiar, a unica diferença é que neste momento está mais desorientado. Está demente... pode acontecer a qualquer um de nós de um dia para o outro...

Familia3: Pois pode, mas isto é inademissivel!!

Eu: Qualquer um de nós pode, de um momento para o outro estar internado, confuso e delirante, gritar e ter medo, sem que para isso tenha de estar internado num hospital psiquiátrico! Além disso, a razao do seu internamento aqui não se relaciona com a demencia, relaciona-se com outra patologia que tem de ser tratada pela Medicina e não pela psiquiatria!! A demencia é uma das outras doenças que o sr tem, do mesmo modo que poderia ter hipertensão arterial, ou artroses...

Familia2: Pois... ele não tem cuilpa...

Eu: Pois não... e nós não o podemos sedar, nem o podemos marginalizar só porque está desorientado... daqui a pouco já acalma, até lá, temos de compreender que ele é uma pessoa igual a nós, que ninguém nos livra de nós mesmo ou algum dos nossos familiares ficar assim... Por isso agradeço o alerta... como devem perceber, já temos conhecimento do senhor, temos é de ter compreensão pelo estado dele!!

Familia 3: Pois... coitado... mas pronto... devia estar noutro sitio onde não incomodasse... porque não fica noutra sala??

Eu: Se der uma volta pelo serviço verificará que não temos nem mais uma vaga... pelo isso me parece complicado de concretizar! Alem disso, o facto dele estar desorientado faz com que seja necessario estarmos mais alerta e aumentar a vigilancia em relação a ele, pelo que, não convem de modo nenhum po-lo num quarto mais isolado ou afastado...

 

E foram embora a resmungar!

Eu percebo-os... percebo que é chato, que é cansativo... mas espero que as pessoas tambem percebam que as pessoas desorientadas não têm culpa de assim estar, e que pode ser um de nós um dia. E se pensarmos bem... não acho que queiramos ser marginalizados, sedados e afastados só porque estamos confusos!

 



5 comentários:
De Andreia a 18 de Setembro de 2008 às 18:07
Olá! Obrigada pela resposta ao post anterior. Em relação a este, fiquei a pensar que às vezes os familiares dos doentes dão tanto ou mais trabalho e cansam mais ( nem que seja psicologicamente) que os próprios dontes! Uma boa chamada de atenção para todos nós, para que pensemos um pouco antes de reclamar de tudo. Votos de um bom trabalho e que ele diminua um pouco, já que não é saudavel tantas horas de trabalho por muito mais tempo!! Bj


De nursy a 18 de Setembro de 2008 às 19:01
É mesmo verdade isso que disseste!! Ás vezes os familiares dão mais trabalho que os proprios doentes. Não sou uma enfermeira anti visitas, pelo contrario, até porque tambem ja fui visita e percebo a inquietação das pessoas, das duvidas e medos e nós estamos lá também para os apoiar. No entanto alguns esquecem-se que não estamos ali só para eles e que temos mais doentes e mais coisas para fazer. Sem falar das vezes que poem os doentes mais nervoso ... Beijos


De Miss Pepper a 18 de Setembro de 2008 às 18:51
Existem pessoas cuja tolerância é zero e que não fazem um esforço para compreender os outros. É óbvio que se os doentes estivessem em sã consciência, não passariam o dia a dizer coisas descabidas. Nem eles teriam prazer nisso.
Enfim!

xinhus


De nursy a 18 de Setembro de 2008 às 19:05
é isso mesmo. Ninguem anda a gritar no hospital por gosto... Enfim...!Beijos


De Tuga em Londres a 7 de Outubro de 2008 às 22:57
Eu pensava que eu tinha tido azar na única noite que tive que passar num hospital à uns anos atrás em que também havia uma doente que passou a noite toda a gritar. Mas afinal, segundo o teu post parece que isto dos doentes andarem a chamar por nomes de pessoas n~ºao é assim tao pouco comum como eu pensava. Bem, mas como dizes não há mesmo nada a fazer, só espero que os outros doentes se consigam habituar à situação. Não tem outro remédio, tal como eu nao tive também.


Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


tags

todas as tags

Links

online
blogs SAPO

subscrever feeds