Turnos Recentes

De regresso por uns minut...

Entre papeis...

Do Natal ao Ano Novo

Bom Natal...

Uma manhã caótica ....

Força de vontade

Medicina ou infecto conta...

As melhoras são boas de v...

In love

Desorientações à parte...

Turnos passados

Abril 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Web Counter
Free Counter
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

Vida profissional Vs Vida pessoal

Ola mais um dia...

Parece que agora ando a basear os meus post nos comentarios, mas ainda bem, é um modo de "discusão" e de partilha também.
Perguntou-me a Tiziana como conseguia (ou não) consiliar a minha vida pessoal com a minha vida profissional....
Então, partindo do incio que ja estava preparada psicologicamente para trabalhar por turnos desde a escola (porque nos estágios tambem faziamos turnos) a coisa acaba por ser mais facil! Enquanto estamos na escola parece que nao temos tempos para nada porque além do estagio em si temos de estudar, temos os trabalhos... enfim... estamos sobrecarregados.
Quando começamos a trabalhar, a questão de turnos depende de varias prespectivas:
1) A distancia do local de trabalho... se trabalhares longe demoras tempo na viagem, logo menos tempo na tua vida pessoal...
2) Quantos empregos tens - há quem faça duplo e é sair de um emprego e correr para o outro, aí a vida pessoal fica a perder e imenso
3) A capacidade e facilidade de fazer trocas... e assim podermos ter livres alguns dias seguidos (mesmo que não tenhamos ferias). Lá no serviço chegamos a consguir estar 15 dias seguidos de folgas, se bem que para pagar esses turnos também estamos 15 dias seguidos a trabalhar no duro...

 

Vantagens e desvantagens dos turnos


Turno da manhã

      Vantagem: horário igual a todo o comum trabalhador, não nos sentimos tão deslocados, dormimos na nossa caminha...
    Desvantagem: É o turno mais trabalhoso, apanhamos as horas de ponta habituais, custa levantar cedo (ou não...)

 

Turno da tarde

     Vantagem : Dormimos de manhã ou temos a manhã para resolver alguns problemas burocráticos; podemos ir a festas no dia antes, porque podemos descansar de manhã 
    Desvantagem : Chegamos a casa quando ja está tudo a dormir; saímos de casa com vontade de dormir a sesta

 

Turno da Noite

    Vantagem: Ganhamos mais, no dia antes e no dia depois estas livre (tipo 2 dias de folga), geralmente menos trabalhoso...
    Desvantagem: Estamos cheios de sono, provavelmente no dia seguinte só queres passar o dia na cama...

 

Sabendo organizar o horario e conforme as possibilidades de troca, podes ter uma vida bem mais livre, e é mais facil para nós enfermeiros resolver problemas burocraticos porque nem toda a gente tem folgas a meio da semana ou manhas livres para ir ás finanças, correios, ás consultas ás 14h...

 

O mau dos turnos e horarios, é que no Natal, Pascoa, Carnaval, Ano Novo e feriados alguém tem de ficar no serviço... a não ser que se trabalhe num Centro de Saúde. Está tudo a curtir e lá estamos nós no serviço como "num dia normal"!

Trabalhar em Centro de Saúde oferece uns horarios mais "normais". Geralmente das 9-17h, e nos fins de semana e feriados está fechado.

Em enfermagem ate ha turnos para todos os gostos :p
Até agora tenho conseguido organizar a minha vida pessoal e profissional muito bem. Com trocas tenhos férias "entre as férias" e posso resolver assuntos mais rapidamente porque "nao tenho de esperar pelas ferias para estar livre à semana". Se faço manhã, há dias que chego a tempo a casa para ir para o ginásio (também tem a vantagem de não morar longe do local onde trabalho!). Apesar de não poder ver o meu namorado quando faço manhãs/tardes (não convém acordar o moço á meia noite ...), sempre que faço tarde posso estar com ele de manhã e quando faço manhã consigo sempre sair com ele um bocadito! Claro que há dias em que chego cansadíssima e chego a casa e aterro no sofá, nem vontade de fazer o jantar tenho!!!

Bem, este fim de semana vai ser daqueles de trabalhar os dias todos... 6a, sabado e domingo...enquanto os outros aproveitam as férias (saudade de estudante....) eu lá vou para o trabalhinho, 16H + 16H... Enfim... desejem-me sorte... =P O que vale é que gosto do que faço e sempre vou poder ir a praia amanhã a tarde!!!

Beijos e abraços e muito obrigado por todos os comentários!!!

 

Sinto-me: A trabalhar no fim de semana..
Música: BSB - Quit Playing games(...) - Para a Tuga em Londres


Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

Eutanásia, a favor ou contra...?

Bem Webi, que pergunta essa ...

Este assunto é mais do que discutido, há ideias e mais ideias e cada uma tem a sua não é... bem digamos que não sou uma pessoa 100% decidida quanto a esse assunto... Vou tentar explicar-me...

Primeiro, acho que matar alguém não é um bom principio. Ponto. Independentemente da razão porque se faz. Fui para Enfermagem para salvar vidas, mas também para "ajudar" a morrer com dignidade e com paz. Ser enfermeira na hora da morte é fazer sentir que se está ali, que a pessoa não está sozinha e que se fez tudo o que se podia... é a pessoa morrer em paz e com serenidade.

Estudei muito sobre a eutanásia e a distanásia. Vi filmes impressionantes sobre isso (além do Mar Adentro vi outro que não me lembro o nome). Mesmo assim não é facil ter uma decisão 100% coerente... 

Acredito que muitas pessoas pedem eutanásia porque estão desesperadas, porque perceberam que a sua vida não vai ser a mesma, porque são completamente dependentes e nada faz sentido, porque têm dores e não querem ficar assim até ao fim da vida. Muitas pessoas estão deprimidas, e como sabem, a depressão pode levar ao suicidio, e já que elas não o podem fazer, pedem para lhes tirar a vida. Se me pedissem para efectuar a eutanásia não o faria. Não era capaz, não conseguiria viver bem comigo mesmo!!! Não e ponto. Acredito que existem outras soluções... tudo parte da rede de apoio que as pessoas que querem a eutanásia têm. Lógico (ou nao...) que alguém que não tem ninguém, que não tem a medicação adequada para as suas dores e esteja realmente a sofrer peça para morrer. Mas se calhar que a rede de cuidados paliativos funcionar em condições, e proporcionar a melhor qualidade de vida possível ás pessoas mais dependentes, se calhar repensariam essa sua decisão. Sentiam-se apoiadas pelos familiares (apesar de provavelmente se sentirem mal por estarem a dar "trabalho") e arranjariam novos objectivos de vida... Há exemplos de pessoas que são completamente dependentes e que não pedem para morrer... alguma razão será...!!!

No meu serviço há muitos muitos doentes que têm tal sofrimento (então quando têm o corpo cheio de feridas é de meter dó...) que chego a pensar que se eles morressem ao menos não sofriam... é verdade, penso isso. Custa-me ver o sofrimento, mas não seria eu que iria terminar com ele, pelo menos dessa maneira. Administro toda a medicação analgesica e sedativa necessaria, isso sim... agora medicação para a pessoa morrer mais depressa não!!!

Já varios doentes me pediram para eu terminar com a sua vida...  mesmo muitos!!! E custa muito ouvir alguém pedir-nos isso, com olhos de agonia e quase a implorar...

 

Por outro lado... digo vezes sem conta ( e aqui vem a minha incoerencia), se algum dia me virem completamente dependentes, cheia de feridas, sem familia e sem apoios, a agoniar em dor... por favor, matem-me. Em mim sou a favor da eutanásia. Em mim...

Eu só espero que daqui a pouco tempo as condiçoes de saúde estejam melhores para que as pessoas nem sequer pensem em eutanásia. Não condeno quem o faz. Sei que é por compaixão, um modo de "ajudar" o outro (na sua ideia), mas eu simplemente não o faria!

 

Falei de outra coisa que é a distanásia, que assim muito por alto, e para quem não sabe, é o inverso da eutanásia, ou seja, o prolongar da vida para lá do "necessário". Não sei se me fiz entender, mas é fazer com que a pessoa vida em péssimas condições apenas para que não morra. Acontece frequentemente nas UCI, pois lá nunca desistem de salvar as pessoas. Poderá ser uma boa coisa se realmente correr bem, mas geralmente já é só mais o coração a bater do que uma pessoa com VIDA. Nessa situação a pessoa nem tem dignidade.. que morte essa também!

 

Não sei se respondi a tua questão Webi... em suma, eu não aplicaria a eutanasia a alguém, no entanto não condeno quem faz. Acredito que se as condições fossem outras as pessoas nem teriam de pedir pela eutansia. Em mim, não me importaria que aplicassem a eutanasia (conforme as condições anteriormente dita).

 

Já agora, gostava também de saber a opiniao dos que leem este blog. A questão está no titulo! =)

 

 

Sinto-me: A filosofar...


Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007

Cuidar de amigos...

Bem, hoje  a noite foi muito calma... há muito muito tempo que não tinhamos uma noite em que não tocasse a campainha!!! Estava tudo a dormir como pedras! Bom para nós, mas ainda melhor para eles, porque descanso é quase meia cura!!!

Agora temos lá uns casos bem complicados de pessoas com neoplasias em estado terminal... é sempre complicado estes casos, lidar com pessoas que sabem que vão morrer, é uma questão de tempo! Algumas estão tão lúcidas que até faz confusão o modo como falam sobre a sua morte... Outros estão simplesmente em fase de negação. Continuam a fazer planos para dali a um ano ou dois e depois dizem esses planos aos familiares que ficam chocadissimos e super tristes por saberem que nada daquilo vai acontecer.

No meu entender as pessoas em estado terminal não deviam estar ali, mas sim numa unidade de cuidados paliativos, onde não tivessem nem uma unha a doer-lhe. Ali ás vezes é complicado, por mais analgesia que administremos, raramente os médicos prescrevem fentanil ou morfina. Apesar dos efeitos secundários, é necessario atenta monitorização, e eles ás vezes não estão para isso... mas esquecem-se que as pessoas têm dores só de coçar o nariz!

Não pensem que ali é tudo mau... há pessoas que terminaram a sua vida ali e os familiares verificaram que tudo foi feito para que a pessoa morressem em paz e sem dor. Era um Sr ainda novo, 50 anos, com uma neoplasia no intestino (algures já nao me lembro), que teve uma decandência brutalissima, e em espaço de dias estava irreconhecível. Não havendo mais a fazer (estava mesmo mesmo muito avançado) a médica tomou todas as providências para o Sr se manter sem dores. Quando o Sr faleceu, a esposa, que também era nova, ficou de rastos. Ela nunca se despedia dele tipo:"Até amanhã", era sempre "As melhoras... até um dia". Era estranho, mas devia ser a defesa dela. Às vezes, na hora da visita, percebia-se perfeitamente que a  Srª tinha estado a beber (beber para esquecer?). Bem, mas quando ele faleceu ela escrever uma carta lindissima aos profissionais de saúde a agradecer todos os cuidados em fim de vida que prestámos ao marido dela, e eu tenho a certeza que muito se deveu ao facto dela ter verificado que o senhor pouco se queixava de dores.

De momento temos uma situações muito muito complicada lá. Um dos auxiliares do serviço está lá internado, com neoplasia do pulmão... É uma pessoa espetacular, sempre super atencioso com os doentes e sempre pronto a trabalhar. Um amigo mesmo. E foi logo a ele que isto acontece... O J. está irreconhecível... já mal fala, está sempre com falta de ar, completamente dependente de tudo. É estranho cuidar assim de alguem que conhecemos. Não é que o façamos de maneira diferente só porque o conhecemos, mas é aquele sentimentos, mais que empatia, aquela amizade... somos enfermeiros e visitas simultaneamente. É muito estranho para nós e principalmente para a namorada dele que também é auxiliar lá no serviço. Imaginam o que é? Esta situação está a deixar-nos de rastos e só pedimos que na hora não estejamos ao serviço (alguém tem de estar né... mas que nao seja eu). Se não for connosco parece que custa menos. (Será?)...

Bem, amanha folguinha. A ver se vou a praia que estou branca como a cal...

Beijos e Abraços***

Sinto-me: Isto não devia acontecer...
Música: The fray - How to save a live


Sábado, 18 de Agosto de 2007

Defeitos e feitios..

Isto de ficar sem PC é que é uma grande chatisse... mas enfim, já passou, e já posso voltar aos meus post e a ver os blogs do pessoal
Para começar tenho de agradecer á Gaja (www.http://diariodeumagaja.blogs.sapo.pt/) pelo post que ela dedicou ao meu blog. Gostei muito das palavras e tenho mesmo de lhe agradecer! Apesar de não ter nenhuma secção do meu blog referente a outros, não posso deixar de dizer que o blog da  é um dos que leio de fio a pavio (e por vezes releio) porque é realmente muito bom.Obrigado Gaja!
Vou tentanto, mas é mesmo muito dificil transmitir em palavras os sentimentos que vou tendo nos "retalhos" da minha profissão. A tristeza, a surpresa, a alegria e aquele sentimento que nos é retribuido quando damos um sorriso verdadeiro é inexplicável, e só mesmo sentindo!!! Adoro a minha profissão e o que faço, mas tenho a noção que não faço tudo como queria ou como devia ser, porque muitas vezes não dá mesmo, por mil e uma razões, incluindo a minha pouca experiencia.
Tenho muito medo de um dia estar internada. Não porque tenha tido más experiencias mas pela doença em si, principalmente aquelas que nos imobilizam e nos fazem depender a 100% dos outros. Acho que é a pensar nisso e a "colocar-me no lugar do outro" que tento sempre empenhar-me ao máximo a cuidar dos outros, porque um dia posso ser eu!
A Webi(http://calatedorme.blogs.sapo.pt/) comentou que os doentes tinham de levar com o "mau feitio" e má disposição das enfermeira. É verdade... além de enfermeiras somos pessoas que temos uma vida além das paredes do hospital ou centro de saúde. Temos os nosso problemas na vida pessoal e de saúde... e temos os nossos defeitos e feitios. Há enfermeiros para todos os géneros e estilos, porque somos pessoas e somos diferentes! Confesso que nem sempre vou com a mesma disposição para o serviço, confesso que há dias em que os doentes notam que estou diferente porque estou mais chateda, mais doentes, mais irritada, mais triste. Temos é de ser profissionais. Não posso deixar que isso afecte os cuidados que presto. Posso não ser tão simpática, mas tenho de me manter prestável e profissional. Podemos tentar colocar uma máscara, mas a verdade é que nem sempre dá. Há pessoas que conseguem melhor que outras. Eu nem sempre consigo ser simpática, nem sempre tenho paciência... é verdade, admito. Mas como já referi, também sou pessoa!!! Também tenho direito a ter os meus sentimentos e problemas. O importante é que os cuidados fiquem bem prestados, que não grite, não bata e não ofenda...
Hoje fico por aqui, agradeço todos os comentários, e sempre que puder retribuo!
Beijos e abraços

Sinto-me: Já tenho computador!!!


Sábado, 11 de Agosto de 2007

Dicas para quando for visitar uma pessoa internada...

Não foi ontem, é hoje... vou dar umas dicas para quando for ao hospital visitar alguém...

 

  • Saber as normas do serviço e ter em conta quantas visitas são permitidas por doente. Não é por acaso que está escrito em letras garrafais e vermelhas "Apenas 2 pessoas por doente!"... Receber visitas é bom...toda a gente está preocupado...é normal, mas os outros doentes que não podem ouvir nem uma mosca não têm de levar com os festins familiares em plena enfermaria...
  • Não fumar nas enfermarias. Não é preciso explicar porquê, certo?
  • Não dar opinião aos outros familiares sobre os doentes deles. Só provoca stress e a maioria das vezes falam sem saber. Não há necessidade... há pessoas especializadas para dar informação. Podem querer ser "uns queridos", mas ás vezes mais vale estar calado...
  • Não levar farnel para o hospital, digo, não levar comida aos doentes. É certo que a comida do hospital tem fama de ser má (ás vezes é verdade), mas para quem não sabe a alimentação faz parte do tratamento, principalmente para pessoas hipertensas e com diabetes.
  • E já que falamos em comida... não dar medicação de casa aos doentes. Lá porque tomava X medicamento em casa não tem de tomar ali também! Informe os profissionais de saúde dos medicamentos que toma habitualmente em casa e depois eles decidem o que o doente vai tomar.
  • Não dar comida ou bebida ás pessoas sonolentas, mesmo que estás estejam com a boca aberta. É meio caminho para a engasgar e matar. Inédito? Não... fica o aviso...
  • Não dizer uma coisa ao  médico e outra é enfermeira... para evitar confusões...
  • Não incitar o doente a queixar-se de coisa de que nem ele sabe que tem, tipo "Mas não te doi a garganta? Não? Mas e as costas? Tem de ter doer as costas? Não?E falta de ar...há pouco parecias com falta de ar?..."
  • Reclamar no livro amarelo e não gritar para toda a gente... a gritar não se vai a lado nenhum... Se não está contente com algo reclame no livro, é para isso que existe!
  • Falar com decência para o profissional de saúde, não somos saco de porrada para ninguém! Mesmo que estejam chateados e irritados têm de pensar que os seus doentes muitas vezes nos agridem e não é por isso que gritamos com eles, por isso, por favor, tenham atenção a falar!
  • Se vai visitar um familiar... VISITE o familiar e não as familias dos outros familiares. É certo que acabam por ter uma certa empatia uns com os outros, no fundo estão na mesmo situação...preocupados, etc, mas uma enfermaria não é de certo um centro social de convívio e barulho. Às vezes só falta a musica para baile... dêm atenção aos seus doentinho, eles bem precisam!
  • As cadeiras existentes na enfermaria não têm o vosso nome marcado... se outra visita chegar primeiro e ocupar a cadeira não têm de armar barraco... hoje ficam de pé amanha ficam outros. Se têm dificuldade em manter-se de pé fale connosco! Tudo se resolve!

Bem.... acho que já chega.. tudo isto que foi dito (dos doentes e das visitas), é baseado em facto reais. Há coisas que por mais insólitas acontecem mesmo... por isso, a partir de hoje, se lerem isto, têm o dever CIVICO de cumprir estas dicas. Mais que não seja, pelas pessoas que estão internadas!!!

 

Beijos e Abraços!!

Sinto-me: A ditar notas...
Música: James Morrison- You Give Me Something


Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

O que fazer e o que não fazer (pequeno guia para doentes)

Existem pequenas coisas que as pessoas não se apercebem que fazem (ou não fazem) quando estão internadas. Poderá ser habitual, porque há umas pessoas que nunca estiveram no hospital...entao aqui vão umas dicas...

 

Quando estiver internado/a:

  • Não dar opiniões absuradas sobre a saúde dos outros doentes (ou qualquer outra opinião relacionada com os cuidados que lhe prestamos - cuidar da sua não é suficiente?
  • Não dar informações sobre a saúde de um outro doente aos familiares deste, ou seja, não alarmar os familiares quando não percebe nada do que aconteceu!
  • Não gritar com os doentes desorientados que estão a fazer barulho e não o deixam dormir - não vale a pena...quanto mais gritam pior fica o doente desorientado! E os outros doentes da enfermaria agradecem... basta um!
  • Não tentar bater nas enfermeiras e auxiliares só porque tem mau feitio. Se estiver desorientado ainda damos desconto, mas quando não estão...podemos mesmo chamar a polícia. Atenção!
  • Não se queixe de uma coisa á enfermeira e outra ao médico... assim ninguém se entende... coerencia é importante para o tratamento e evita muuuitas confusões!
  • Não tocar a campainha aflito só porque o soro acabou, aquilo não sai dali e não faz mal nenhuma  saúde!!!
  • Não ponha o soro a correr mais depressa só para se ver "livre". As suas veias agradecem, principalmente se o soro tiver potássio...!!
  • Tocar quando sem querer (esperamos nós...) retiram o acesso do soro. Convém nao perder muito sangue... e é escusado de ter medo de ser picado outra vez...mais vale isso a ficar anémico. (ok não é logo assim... mas pronto, não convém perder sangue...)
  • Não tocar aflito porque se quer um urinol quando ainda tem outra para usar...  já sei que mais vale prevenir que remediar, mas há sempre oportunidade de pedir quando alguem passa, não é preciso tocar 10 vezes a campainha!!
  • Não falar ao telemóvel na enfermaria até ás 3h da manhã.
  • Não fumar nas enfermarias. (Sim, eu sei porque digo isto!!!)
  • Se vai ao WC, não deixar o telemóvel na enfermaria com o som MUITO alto, principalmente se tiver um toque de meter medo.
  • Não pedir coisas insistentemente aos enfermeiros quando estes estão em situações de urgência. (Se não está a ter uma paragem respiratória, nada é urgente!)

Por agora é o que me lembro... umas dicas que podem fazer a diferença!!!

Amanhã ficam as dicas para as visitas!

Beijos e Abraços

 

 

Sinto-me: Nas dicas....
Música: Hoobastank - Running away


Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


tags

todas as tags

Links

online
blogs SAPO

subscrever feeds