Turnos Recentes

Do Natal ao Ano Novo

Uma manhã caótica ....

Força de vontade

In love

Desorientações à parte...

O que é perder a dignidad...

"Ai onde uma pessoa chega...

"Cuidados com vida"

Ferias...

Perdida num mundo dela...

Turnos passados

Abril 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Web Counter
Free Counter

Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Do Natal ao Ano Novo

E o Natal já passou...

Entre o trabalho e a familia, dois dias que passaram a voar!

 

Como se tem visto nas noticias a gripe tem atacado e como consequencia as urgencias estão cheias, o que conduz a que os serviços de internamento estejam igualmente a abarrotar, como é o caso do meu. Chegaram a entrar 4 a 5 doentes por dia (quando geralmente entram 1 ou 2).

Algumas familias alegaram, de repente, não ter condições para ter os seus familiares em casa (quando lhe demos alta), quando anteriormente os tiveram lá. E que "no inicio do ano já consguimos arranjar alguma coisa". E então os senhores e senhoras de idade lá passaram o Natal (e quem sabe o ano novo), na companhia de completos estranhos e de profissionais de saúde, que ás tantas foram mais da sua familia do que a sua propria familia! Alguns dos idosos ainda se aperceberam que tinham alta mas que não os puderam levar; outros acharam que afinal não estavam tão bons como o medico lhe tinha dito e que por isso têm de ficar lá...

E depois há o oposto. Pessoas realmente doentes, que não têm indicação para levante quanto mais para passar o Natal em casa e a sua familia quer porque quer levá-los!!!

Há anos em que os médicos dão permissao para as pessoas irem a casa passar a noite de Natal e depois regressam. Por acaso  este ano isso não aconteceu.

E Nós, lá passamos os dias de Natal, também longe da nossa familia e a ser familia de alguem. A comer os bolos reis que algumas familias atenciosamente levaram e os sonhos e pão de ló! Ah sim, e os chocolates!!!! Mas fora isso, o trabalho é tanto que nem nos lembramos que é Natal...

 

O mais triste neste Natal foi ter de dar a noticia de um falecimento. A Srª faleceu dia 24 ás 15h... e é algo que aquela familia nunca mais esquecerá no Natal...

 

Vamos agora para um Novo Ano. No fundo é tudo a mesma coisa, nós é que pomos na nossa cabeça que começa um Novo ano e por isso temos de melhorar, de mudar ... ás tantas é um estimulo para que isso realmente aconteça!!!

Espero então que no novo ano, esse estimulo de mudança para melhor se torne realmente numa mudança ou num estilo de vida que vos faça feliz. Que o novo ano seja a razão de lutarem pelos vossos sonhos e projectos pois nada nos é dado de mão beijada e temos mesmo de lutar por algo se os queremos ter. Espero que a saúde seja uma constante, pois sem ela nada feito... e desejo que por mais um ano tenham a vossa familia, amigos e conhecidos do vosso lado para os bons e maus momento...

 

         E assim... que 2009 seja o estimulo para serem Felizes... =)

 

 



Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

Uma manhã caótica ....

Olá...

Parece que já entrámos em época natalicia... pelo menos os centros comerciais estão cheios, as ruas estão iluminadas, a arvore de Natal já está feita e o Serviço de Medicina já está cheio de luzes, árvores de natal e enfeites...  Mas, no dia a dia, aquilo parece tudo menos o Natal...

Parece que o frio e chuva vieram para ficar e com ele as pneumonias e as DPOC agudizadas... resultados?! Estamos cheios!!! Nem uma vaguinha...!... Andamos todos estoirados e só desejamos férias... pelo menos eu!

As manhãs estão caóticas porque além de todos os cuidados inerentes a uma manhã (medicação, cuidados de higiene - que só no leito chegam a ser 17! - realização de pensos....) ainda temos as constantes descompensações dos doentes (pois coitados não têm culpa...), os medicos novinhos que pedem ajuda para fazer tudo (questiono-me onde estão os orientadores dos internos de medicina...) e que deixam tudo fora do lugar, as altas em cima do joelho (ou melhor, dizem as 13h que o doente tem alta as 14h e o doente desejoso por ir embora não nos deixa em paz e nós ainda temos de fazer a alta de enfermagem... e tempo para tudo?!), a medicação que não vem toda da farmácia e temos de ligar para lá, os auxiliares que reclamam porque lhes pedimos para ir à farmacia buscar a medicação que falta....

Eu chego a contar até 10 imensas vezes durante o turno para não disparatar porque é uma tal pressão e stress... Imaginem terem cerca de 7 banhos no leito, estarem no 4º banho (no qual temos de realizar uns 5 pensos a ulceras de pressão e aspirar as secrecções da pessoa), cansadissimos e já com fome, a pensar que ainda falta 3 banhos e vem o medico a gritar:

MEDICO: "Enfermeira, porque é que a Sra L ainda não se levantou!? Ela tem de fazer levante, quero dar-lhe alta amanhã!" ....

EU (1,2,3,4,5,6,7,8,9,10...): "Porque ainda não tive TEMPO de lhe dar banho... tenho 7 hoje, tinha de terminar em algum!"

MEDICO: "Ah pois. Vamos lá ver se ela se levanta, se anda e se tolera estar sentada.... AH e a sra H já lhe viu tensão?"

EU (1,2,3,4,5,6,7,8,9,10... e eu divido-me em duas nao?!): Não Dr, porque como vê ainda estou nos cuidados de higiene. Mas pode avaliar, o aparelho está ali na nossa sala...

MEDICO: Ah ta bem... então depois eu vejo pelas suas notas.  Ah, queria ver o penso do Sr I.

EU (1,2,3,4,5,6,7,8,9,10, tal era a pressa da tensão que nem a quer ir avaliar....): Só vou fazer depois de almoço, porque ainda tenho banhos para dar...

MEDICO: Hum... pois... então depois, se estiver no serviço, chame-me

EU (Deves estar deves... quando eu acabar de almoçar ainda estás tu nas entradas e acabas de almoçar as 15:30h, deves estar mesmo à espera que eu faça o penso a essa hora...): Então combinamos para amanha. Faço o penso antes dos banhos e chamo-o.

O medico vai embora e nisto vem a auxiliar:

AUXILIAR: Sra enfermeira, o SR H está no chão... caiu...

EU (era só o que me faltava....1,2,3,4,5,6,7,8,9,10): Mas como?!

AUXILIAR: Pensei que o conseguia por na cadeira do banho, mas ele não ajudou!!!

EU (1,2,3,4,5,6,7,8,9,10 - umas vezes os doentes ajudam a passar da cama para o cadeirão e pedem ajuda, quando realmente é preciso acham que conseguem fazer tudo sozinhas e o doente cai....): Mas ele está bem? Já lá vou ajudá-la a levantar, mas se não sabe se o doente ajuda a passar ou não pergunta á enfermeira responsável, ok?

 

E isto é apenas um pouquinho das minhas manhãs... Além disso saio de lá com uma dor de garganta horrivel porque anda por lá um surto de hipoacusias (surdezes) e para os doentinhos me ouvirem só mesmo a gritar!!! O que vale é que alguns doentinhos nos vêm tão atrapalhadas que se oferecem para nos massajar as costas e nos são umas beijocas!!!  Claro que não aceito as massagens né!

 

Bem... vou aproveitar a folga... a unica até ao Natal...

 

 

 

 



Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Força de vontade

Ola a todos os que ainda têm paciencia de ler um blog com tao pouca actualização...

 

Por aqui tudo continua mais ou menos na mesma. Felizmente pela positiva!

 

Lá pelo serviço fizemos todos (ou quase todos) a prova de manteux para ver se fomos ou não infectados pelos doentes com tuberculose que estiveram na enfermaria. Felizmente e aparentemente ninguém foi contagiado, mas foi um susto valente... Quanto a esses doentes, infelizmente dois deles faleceram. Um num dia outro no dia seguinte. Estavam em muito mau estado e o facto de serem toxicodependentes não ajudou muito...

 

Temos lá internada, há sensivelmente 2 meses uma senhora com um problema que ainda ninguém consguiu muito bem perceber... um dia está optima e pronta para ter alta e no dia seguinte desenvolve tremores, febres e vómitos. O que adoro nesta senhora é que tem uma força enorme e sempre um sorriso... parece um sorriso de conformismo, mas ao mesmo tempo aquela força de lutar sempre para ficar melhor não me deixam pensar que ela é uma desistente.... Os médicos já nos disseram que ela não tem um bom prognostico (devido a outros problemas que aquela sintomatologia pode por vezes agravar), e é o que nós chamamos "bombinha relógio".  Custa-nos muito pensar no desaparecimento desta senhora, sempre disponível a perceber-nos no meio do nosso imenso trabalho, sempre disposta a apoiar o companheiro e filha que a visitam e sempre a apoiar as "vizinhas" (como ela chama ás dezenas de doentes que já estiveram na cama ao lado da dela.

Ela faz-me pensar se eu algum dia, se tivesse uma doença assim, teria a força de vontade que ela tem, a simpatia e o modo de cativar os outros em seu redor. Eu acho que entrava num mundo escuro e bem depressivo... sei lá, as vezes penso nisso...!

Penso na senhora que está lá internada, também há mais de um mês, mas que entrou em profunda depressão, de tal modo que mal consegue falar e deixou de se ajudar a si mesma a melhorar... por muito que queiramos, não lhe consguimos dar toda a atenção para a ajudar.

Aqui ha dias,  fiquei responsável por ela e estive com ela o dia inteiro (fiz 16h). Tinha menos doentes e consgui estar mais atenta. Estive lá a ajuda-la a alimentar-se quando lá estava uma visita, que ao telefone com outro familiar disse: "Olha a enfermeira que está aqui é muito querida e atenciosa". Resposta do lado de lá: "Ah pois, deve ser novinha e trabalhar há pouco tempo...". Nem consgui responder. É essa a ideia que as pessoas têm dos enfermeiros... que se vao habituando e deixam de ser atenciosos?! fiquei triste por se ter transmitido essa ideia pelas pessoas, mas acredito que, perante muita coisa que também vejo, as pessoas tenham essa ideia de nós...

 

Fico me por aqui à espera que o fim de semana leve o frio e traga um solinho bom para passear nas folguinhas

 

Bom fim de semana a todos e bom feriado!



Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

In love

Olá a todos... tenho andado meio desaparecida, eu sei, ás vezes a vida não é como queremos... mas felizmente existem boas razões para este desaparecimento.... =) Estou apaixonada, e é tão bom!!! Ás vezes as pessoas que estão em nosso redor acabam por ser as mais indicadas para nós e demoramos seculos a dar por isso!!! =) Tenho passado muito tempo com essa pessoa e por isso o tempo para postar tem diminuido... mas acho que me desculpam, afinal, é por uma boa razão!!!

Incrivel é, como a nossa disposição, bom humor e felicidade afecta o teu trabalho. Sei que temos de ser imparciais, que temos de ser sempre profissionais e não deixar a nossa vida pessoal interferir, mas não me digam coisas... ás vezes é impossível! Somos pessoas... e sim, ando mais sorridente, mais bem disposta, divertida... e nota-se!!! Quando é pela positiva ainda é bom esta transparência, pela negativa é que ....

 

Fora a vida pessoal, o serviço está igualzinho ao habitual... com o tempo parece que pouco ou nada muda por ali... os doentes ás tantas são os mesmos, com internamentos repetidos, uns após os outros....

 

Neste momento temos lá internado um jovem de 25 anos, infectado com hepatite B que está a ser considerado um caso social. Está lá há mais de um mês porque como ele é sem abrigo estão a tentar encontrar um local onde ele possa ficar ou, pelo menos ser acompanhado. Ele pouco ou nada diz em relação ao assunto, mas por vezes, das poucas vezes que fala, já nos deu a entender que não está para ter regras e para viver em associações. Isto dá-me muito que pensar... ele está a ocupar uma cama, há mais de mês para se tentar resolver a situação social e ás tantas, daqui a uns meses (ou dias... ) estará novamente na rua, sabe-se lá a fazer o quê, porque não gosta de regras na vida.... Poderão perguntar "então mas se ele não quer regras porque o mantêm internado?". Por várias razões... 1º não se pode dar alta para a rua... e convém ter um acompanhamento das pessoas em situações desfavorecidas já que as "apanhamos"; 2º ele nunca manifesta nada contra em ir para associações quando está presente do médico e assistente social... logo não é facil provar a não vontade dele... são situações muito complicadas!!! Vamos lá ver o desfecho...

 

 

Vou ficar por aqui, o amor me espera =) beijos e abraços***



Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Desorientações à parte...

Ola a todos**

 

Tenho andado ausente porque a minha net as vezes tem um piripaco e não consigo estar cá muito tempo sem que ela vá abaixo... é um stress, mas pronto!!! Verdade é, também, que tempo para vir à internet não é muito. Temos o serviço a rebentar pelas costuras e ás vezes temos de fazer horas extra... aliás, turnos extra!! Portanto são constantes as 16h e aumenta o cansaço... chego a casa e só me apetece deitar e dormir, dormir e dormir...!!!

 

Neste momento lá no serviço temos muitos doentes que, geralmente, estão agitados. Gritam o dia todo, e, mesmo sem força para se manter de pé, tentam levantar-se e temos sempre de ter 1000 olhos para que eles não caiam da cama abaixo!!! 16horas nisto é, de facto, muito complicado, mais que não seja psicologicamente. E depois, temos os outros doentes, que estando  conscientes e orientados já não suportam os gritos dos outros... mas é complicado... têm de compreender que não podemos propriamente enfrascar os doentes de sedativos! Os gritos, para que entendam, não é de "aiai doi-me aqui ou acolá!" são gritos de pessoas desorientadas que não sabem onde estão, que chamam pela Maria e pelo José, que mandam toda a gente para os sitios menos aprazíveis, que gritam "óh da guarda!!!! Venha cá trazer-me o portão!!".... é complicado, mesmo explicando a estas pessoas que estão no hospital, que não está lá a Maria nem o José, que não podem gritar tanto porque há outras pessoas no quarto que precisam de descanso... eles simplesmente não entendem!!!

Que eles não entendam eu percebo, agora que as outras pessoas, como visitas, não entendam que eles não fazem de proposito já não encaro tão bem!!

Ainda ontem chegaram ao balcão de trabalho 3 familiares de diferentes doente, mas todos da mesma sala, a reclamar:

Familia1: Sra Enfª, está ali um doente no quarto 1 que está  há 1hora a gritar e a tentar levantar-se. Não tem respeito por ninguém e vocês não vão lá cala-lo!!!

Familia2: Pois, é uma dor de cabeça, nem sei porque permitem que fique aqui!

Familia 3: Devia estar numa sala propria!!!

Familia 1: Isto não pode ser, tem de o sedar, fazer-lhe qualquer coisa, já não o posso ouvir!!!

Familia3: Devia estar noutro hospital longe daqui, isto não é lugar para ele!!!

Eu (parva da vida): Pois, eu compreendo a vossa preocupação. O que é que ele está a gritar?

Familia1: Olhe, está para ali a dizer " Abram o portão para o cão entrar!!! Oh Maria, tras a comida ao cão!!!"

Eu: O sr está desorientado. Como dá para perceber ele não sabe onde está, mesmo que lhe digamos. Já lhe demos medicação para acalmar, mas não podemos dar lhe em excesso senão o senhor fica muito adormecido e não lhe faz bem.

Familia: Pois, mas estes doentes não deviam estar aqui!!!

Eu: Este senhor está cá com tanto direito como o seu familiar, a unica diferença é que neste momento está mais desorientado. Está demente... pode acontecer a qualquer um de nós de um dia para o outro...

Familia3: Pois pode, mas isto é inademissivel!!

Eu: Qualquer um de nós pode, de um momento para o outro estar internado, confuso e delirante, gritar e ter medo, sem que para isso tenha de estar internado num hospital psiquiátrico! Além disso, a razao do seu internamento aqui não se relaciona com a demencia, relaciona-se com outra patologia que tem de ser tratada pela Medicina e não pela psiquiatria!! A demencia é uma das outras doenças que o sr tem, do mesmo modo que poderia ter hipertensão arterial, ou artroses...

Familia2: Pois... ele não tem cuilpa...

Eu: Pois não... e nós não o podemos sedar, nem o podemos marginalizar só porque está desorientado... daqui a pouco já acalma, até lá, temos de compreender que ele é uma pessoa igual a nós, que ninguém nos livra de nós mesmo ou algum dos nossos familiares ficar assim... Por isso agradeço o alerta... como devem perceber, já temos conhecimento do senhor, temos é de ter compreensão pelo estado dele!!

Familia 3: Pois... coitado... mas pronto... devia estar noutro sitio onde não incomodasse... porque não fica noutra sala??

Eu: Se der uma volta pelo serviço verificará que não temos nem mais uma vaga... pelo isso me parece complicado de concretizar! Alem disso, o facto dele estar desorientado faz com que seja necessario estarmos mais alerta e aumentar a vigilancia em relação a ele, pelo que, não convem de modo nenhum po-lo num quarto mais isolado ou afastado...

 

E foram embora a resmungar!

Eu percebo-os... percebo que é chato, que é cansativo... mas espero que as pessoas tambem percebam que as pessoas desorientadas não têm culpa de assim estar, e que pode ser um de nós um dia. E se pensarmos bem... não acho que queiramos ser marginalizados, sedados e afastados só porque estamos confusos!

 



Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

O que é perder a dignidade?!

Hoje enquanto dava uma banhoca, a sra perguntou-me " Porque é que fazemos tanto na vida, lutamos tanto pelas coisas e depois perdemos a dignidade assim? Porque lutamos tanto para ter as coisas se agora não as posso gozar e aqui estou eu!?"

Quando me falou em dignidade, e tendo em conta o post anterior, pensei que fosse do facto de estar dependente e de eu lhe estar a dar o banho, verifiquei se a sra estava minimante tapada, se as cortinas estavam bem fechadas e assim sendo, perguntei-lhe

- "O que a leva a dizer que perdeu a dignidade? Há alguma coisa que estejamos a fazer que a faça sentir assim?!"

Ela respondeu-me: digo que perdi a dignidade porque poucas pessoas aqui chegam com palavras de atenção, força e carinho... poucas as pessoas que aqui vêm com voz amiga! Flores...? Secam e murcham e vão para o lixo... as palavras doces, guardo-as cá até morrer e enquanto sou lucida...!!!"

Fiquei sem resposta... sei que se poderia estar a referir aos profissionais, mas acredito que tenha sido principalmente da familia ou conhecidos que, no seu entender, pouco a têm apoiado.

Ela fez-me pensar, que de facto trabalhamos, turnos marados, juntamos dinheiros para casa, viagens, um carro, uma vida melhor... e, sabe-se lá quando, lá vamos nós daqui para outro mundo, sem aproveitar nada. Sei que me podem dizer: "então, mas aproveitas enquanto estás viva...! ", mas eu sei lá se aproveito...!!! Uma pessoa sempre com projectos na cabeça e o trabalho é uma constante! O que vale é que gosto do que faço, imaginem se não gostasse!!!

Hoje faleceu um senhor, ainda novo, mas infelizmente com doença terminal. Felizmente este senhor teve algo que raramente ali se vê: conseguimos ter a familia presente para se despedir dele antes de desligar as perfusões que o mantinham deste lado. Um dia, se tiver de morrer no hospital, só espero que tenha a sorte de morrer junto das pessoas que me são mais queridas!!! Não o desejamos todos?!



Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

"Ai onde uma pessoa chega!!!"

Esta é uma das frases que mais oiço lá no serviço. Quem as diz são os doentes... principalmente os idosos.

Se calhar não pensamos muito nisso... se calhar nem imaginamos (ou não queres imaginar) o que é ter alguém a dar-nos banho numa cama, a lavar-nos os genitais, e mudar-nos a arrastadeira...

Se calhar muito menos imaginamos o que é não conseguir conter a urina e molhar uma cama, ou evacuar uma fralda e sentirmo-nos como uma criança que não consgue fazer as coisa sozinha.

Se calhar também não pensamos muito no facto de algum dia nos sentirmos tão fracos que tem de nos dar de comer, que nos ajudar a posicionar na cama... a nós, que eramos tão activos, que sempre fomos independentes de todos... e depois dizemos, ou pensamos...

 

"ai... onde uma pessoa chega!"

 



Quinta-feira, 10 de Julho de 2008

"Cuidados com vida"

Ainda de férias... 

E de férias tenho tempo para ver TV. Por essa razão tive oportunidade de ver uma reportagem da TVI feita pela Alexandra Borges, denominada "Cuidados com Vida", onde entre testemunhos de profissionais de cuidados paliativos, se evidenciou o testemunho de Rita Leitão (doente em cuidados paliativos, falecida em Julho de 2007), transmitida a 6 de Outubro de 2007. 

Para quem não teve oportunidade de ver, e porque me marcou bastante estes testemunhos... e no fundo  me fazem pensar a minha vida, a minha profissão, a vida dos outros... deixo aqui os videos da reportagem!

 

 

 

 

Sinto-me: Pensativa


Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

Ferias...

Férias... férias, férias... ja estava a precisar... o serviço tem estado pesado a nível psicológico... há muitos doentes desorientados é são precisoso olhos a triplicar para nenhum cair, para nenhum bater com o sistema de soros no vizinho do lado...  (sim sim...!). E quando se tem muitos doentes por turno e muito para fazer, é dose... mas agora, deixo as minhas colegas a cuidar desses problemas todas e vou... FINALMENTE... descansar!!! =)

 

E para quem está de férias desejo BOAS FÉRIAS... quem está a trabalhar desejo um bom trabalho ... =)

 

Para uns e para outros deixo a sugestão de um filme com o qual todos conseguimos retirar uma lição para  vida: "The bucket list" ou "Nunca é tarde demais"...Beijinhos!  

 

 

 

 

Sinto-me: de ferias...


Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Perdida num mundo dela...

Um dia a Sra M chegou lá ao serviço. Tinha tido um AVC e estava com dificuldades em mexer a parte direita do corpo. Fora isso conversava muito bem e era uma pessoa, que apesar dos seus 65, era muito actual e bem disposta. Do que contava da sua vida, dava para entender que tinha sido sempre uma mulher de armas! Aguentou as traições do marido, foi obrigada por ele a fazer 7 abortos, e criou sozinha 3 filhos porque o marido não a apoiava... e passados 20 anos, separou-se e vive a vida dela, como ela diz "porque é o melhor que temos!". Voltou a apaixonar-se por um senhor que "cuidava dela" e que a fazia sorrir. Desde que ela foi internada, ele visita-a todos os dias, ajuda-a no que ela nao consegue fazer... é mesmo de ver e de desejar encontrar alguem assim!!!

Um dia ela disse-me que estava desejosa de sair, de melhorar, de voltar a andar, nem que fosse com uma bengala... queria ver as marchas de Santo António, porque gostava das musicas e porque um dia gostava de ter participado,mas que não era de Lisboa. Via todos os anos na TV e adivinhava todos os anos quem ganhava...

Na vespera de Santo António a Sra foi fazer um exame e as coisas correram mal... ela repetiu o AVC, desta vez de modo gravissimo... Quando a voltei a ver não se lembrava de mim... parecia que falava com ela ela estava noutro mundo. Não dizia uma frase correcta... Quando o marido a veio ver, começou a chorar porque ela já não lhe dizia, como de costume "só tu me fazes sorrir!". Ele perguntava: "Lembraste de mim?" e ela respondia "iogurte? para quê plantar essas coisas...?!"

Nem sei expressar o sentimento que tenho (e muito menos o que terá o Sr.) ao perceber que a senhora, irreversívelmente, vai viver no mundo dela. Tentei dizer-lhe que tinha ganho a marcha de Marvila.... ela respondeu-me "Já disse que hoje não lavo a roupa!".... 

Ela está confusa, agitada, fala fala e não diz nada de jeito. Mal consgue ajudar-nos como antes fazia... é uma tristeza, e acreditem que me custa prestar-lhe cuidados... Como é que de um momento para o outro deixamos de ser nos mesmos... como de um momento para o outro esquecemos todos os objectivos e perdemo-nos nas memórias, no vazio e nada nem niguém lhe diz alguma coisa...

 

E é por isto que ás vezes caio em mim e penso que devemos dizer as pessoas tudo o que sentimos, devemos "aproveitá-las", saboreá-las na sua essencia porque podem não morrer, mas podem deixar-nos sós na mesma não nos reconhecendo... saboreiem quem amam....

 

(do site: http://missindependent.blogs.sapo.pt/)

 



Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


tags

todas as tags

Links

online
blogs SAPO

subscrever feeds