Turnos Recentes

In love

Sexo na enfermaria

Turnos passados

Abril 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Web Counter
Free Counter

Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

In love

Olá a todos... tenho andado meio desaparecida, eu sei, ás vezes a vida não é como queremos... mas felizmente existem boas razões para este desaparecimento.... =) Estou apaixonada, e é tão bom!!! Ás vezes as pessoas que estão em nosso redor acabam por ser as mais indicadas para nós e demoramos seculos a dar por isso!!! =) Tenho passado muito tempo com essa pessoa e por isso o tempo para postar tem diminuido... mas acho que me desculpam, afinal, é por uma boa razão!!!

Incrivel é, como a nossa disposição, bom humor e felicidade afecta o teu trabalho. Sei que temos de ser imparciais, que temos de ser sempre profissionais e não deixar a nossa vida pessoal interferir, mas não me digam coisas... ás vezes é impossível! Somos pessoas... e sim, ando mais sorridente, mais bem disposta, divertida... e nota-se!!! Quando é pela positiva ainda é bom esta transparência, pela negativa é que ....

 

Fora a vida pessoal, o serviço está igualzinho ao habitual... com o tempo parece que pouco ou nada muda por ali... os doentes ás tantas são os mesmos, com internamentos repetidos, uns após os outros....

 

Neste momento temos lá internado um jovem de 25 anos, infectado com hepatite B que está a ser considerado um caso social. Está lá há mais de um mês porque como ele é sem abrigo estão a tentar encontrar um local onde ele possa ficar ou, pelo menos ser acompanhado. Ele pouco ou nada diz em relação ao assunto, mas por vezes, das poucas vezes que fala, já nos deu a entender que não está para ter regras e para viver em associações. Isto dá-me muito que pensar... ele está a ocupar uma cama, há mais de mês para se tentar resolver a situação social e ás tantas, daqui a uns meses (ou dias... ) estará novamente na rua, sabe-se lá a fazer o quê, porque não gosta de regras na vida.... Poderão perguntar "então mas se ele não quer regras porque o mantêm internado?". Por várias razões... 1º não se pode dar alta para a rua... e convém ter um acompanhamento das pessoas em situações desfavorecidas já que as "apanhamos"; 2º ele nunca manifesta nada contra em ir para associações quando está presente do médico e assistente social... logo não é facil provar a não vontade dele... são situações muito complicadas!!! Vamos lá ver o desfecho...

 

 

Vou ficar por aqui, o amor me espera =) beijos e abraços***



Domingo, 17 de Junho de 2007

Sexo na enfermaria

Hoje não vou falar de mortes, mas pelo contrário, de situações que poderão levar ao nascimento! Sim, num hospital também cenas de sexo!!!

  • As enfermarias têm entre 5 a 7 camas e como tal cada cama tem cortinas (privacidade não é!). Um dia, estava uma senhora de 30 e poucos lá internada e, no inicio da tarde verificámos que a cortina dela estava completamente corrida. Até aí, nada de anormal. A Srª poderia estar a mudar de roupa, etc... Estranho foi, que passado mais de 1hora e cortina mantinha-se fechada! Chegou uma altura em que tive de lhe avaliar a tensão, e quando abro a cortina... lá estava, marido e mulher, como se de sua casa se tratasse, metidos na cama em pleno acto sexual. Vermelha como um tomate, dei meia volta e fui embora com o aparelho da tensão. Mas repensando bem no assunto, voltei para trás e, antes de abrir a cortina disse: "Olá boa tarde, eu não queria INTERROMPER, mas tenho que lhe avaliar a tensão e queria pedir para ficar em descanso uns 10 minutos, para dar um valor correcto...". Silêncio.... "Ah...está bem Srª Enfª!...".
  • As mulheres, que nos tivessemos apercebido, não se dá muito por isso, mas quando os homens (acamados) se resolvem aliviar... é bem percpectível!!! E acreditem, que é bem mais frequente do que se poderia imaginar! Já por, pelo menos 2 vezes, fui dar com homens a masturbarem-se. Da primeira vez, saí da sala sem dizer palavra e só voltei lá passado mais de uma hora (já teria terminado, não?). Da segunda vez, acho que nem ele me viu, mas também não me aproximei. Eh pah, eu sei que a sexualidade é uma necessidade humana básica, mas não me parece que ali seja o local ideal para a satisfazer (se calhar há quem não concorde comigo, mas pronto). Fora eu, as minhas colegas também já se depararam um meia dúzia de vezes com estas situações...sim, é mesmo muito frequente!!!
  • Outra situação, se calhar já devem ter pensado nisso, é "Então e quando têm de dar banho ás pessoas mais novas...como é que é?". Pois, uma pessoa nova a dar banho a outra pessoa nova (ou quase da nossa idade), acaba, realmente, por ser algo constrangedor. A minha opinião é que depende do modo como se encara aquela pessoa. Eu encaro como uma pessoa que precisa da minha ajuda. Ponto. Independentemente da idade. Sempre que é possível, eu ajudo nos mínimos durante o banho (porque temos de estimular a independência nos cuidados...!). Peço-lhes sempre para serem eles a lavarem os genitais, não tanto por mim porque "já estou habituada e é-me indiferente", mas mais pelas pessoas, que, suponho eu, não estão habituadas a que mãos alheias as lavem em local tão íntimo. Quando não temos mesmo hipótese, lá terá de ser... Sim, já me aconteceu uma vez um doente ter ficado erecto só com o simples facto de lhe tocar. Homem mais sensível... Fingi que não vi, para ele não ficar atrapalhado, e foi um instante em que o banho terminou!!! É claro que também eu fiquei atrapalhada..
  • Lá no serviço temos quartos individuais, que chamamos quartos de isolamento. Geralmente lá estão pessoas que podem transmitir doenças por via respiratória. Como diz o nome, é um quarto mais isolado, logo a ida de profissionais ao quarto é a mínima indipensável. Por vezes, os ocupantes do quarto aproveitam-se disso e, já não foi uma nem duas que encontrámos lá pessoas a ter relações sexuais. Uma vez estava lá um homem internado, que tinha usar máscara para não transmitir a sua doença. Eis que, um dia o foram encontrar a ter relações com a (que supunhamos) sua mulher. No dia seguinte já estava lá com outra.... Comentário: Ao menos são relações protegidas...usaram máscara!!!

Geralmente, nestas situações a chefia tem conhecimento e existe posterior conversação com as pessoas envolvidas. Sabemos que o sexo é natural, mas parece-me que é de senso comum que o hospital não será, de todoooo, o local ideal para o praticar!!! Tá bem que ás vezes as pessoas têm internamentos longos, que a privacidade assim o propícia, mas...

 

Bem, e hoje fico-me por aqui, espero que este post tenho sido, pelo menos um pouco, menos deprimente que os anteriores!

Beijos e Abraços!

 

(De Alba Luna)

Sinto-me:
Música: Timbaland - Give it to me


Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


tags

todas as tags

Links

online
blogs SAPO

subscrever feeds