Turnos Recentes

Indicação para não reanim...

Cuidar de amigos...

A descansar...oh sim... a...

Vidas nas nossas mãos...

Na hora do adeus...que di...

E é na noite que tudo aco...

Entre a morte e a desorie...

Turnos passados

Abril 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007


Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

Indicação para não reanimar...

Olá!!!

Para começar agradeço o destaque no sapo... não sei se merecia porque tenho noção que não actualizo este blog com a frequencia que gostaria... mas enfim, agradeço na mesmo, claro! .

 

Hoje, sem sono depois de uma noite de trabalho, andei a ver alguns (poucos! ) blogs e encontrei um post de um estudante de enfermagem com o qual me identifiquei e acerca do qual me apeteceu escrever. O post é este:

 

http://vida-de-estagiario.blogs.sapo.pt/2479.html

 

"Como diz a minha mãe é o que temos mais certo.

Hoje quero vos contar um caso, uma situação.

 

Doente do sexo masculino, com mais de 90 anos, tetraplégico, infecção respiratório, estado comatoso, insensibilidade à dor.

Aqui entra o sentido da vida, o sentido da enfermagem e o sentido da saúde. Não vou discutir temas como a eutanásia, pelo menos não neste post, o que pretendo falar é sobre os chamados DNR ( Do Not Resuscitate).

 

Este  senhor de que vos falei nao tinha indicação de DNR, num destes dias faleceu e fizemos tudo, mas tudo mesmo...mas foi insuficiente. O senhor faleceu, contactada a família, após a reacção inicial, o filho revelou sentir-se..aliviado.

 

Pode parecer frio, estranho o que quiserem chamar, mas aquém ja esteve nesta situação compreende que este sentimento de alívio nao é mais que uma demonstração de amor pelo ente querido e que em nada contradiz os sentimentos de tristeza, angustia, solidão e saudade que sentimos nestes momentos.

 

Voltando ao tema dos DNR, em conversa com uma amiga que nada têm haver com enfermagem nem com saúde ela diz que nao compreende como se pode "não fazer nada" perante uma situação de paragem cardiaca. Lógicamente não tem DNR devido à paragem cardiaca mas sim devido a toda a sua situação clínica irriversivél e que é fonte de dor e sofrimento para a família, mas principalmente para o doente.

 

Infelizmente a morte faz parte da vida, o que importa é viver cada dia como sendo o mais especial:) "

 

 

Ao ler este post lembrei-me de muitos dos doentes que nós temos internados, com uma situação clinica claramente irreversível, em que há sofrimento da familia por ver aquele ente querido naquele estado... Um dia, a pessoa tem uma paragem cardio respiratória e não está nada escrito que tem a indicação de DNR....

E nós, que fazemos? Tentamos reanminar... e ás vezes sabem o que penso? Que aquela PESSOA que acaba por morrer, morreu no meio de uma azafama da reanimação, sem familiares perto ou uma mão amiga... Atenção, que estou a falar de reanimações em pessoas que têm uma situação clinica muito grave e das quais se sabe que após reanimação com sucesso não haverá melhoria nenhuma...!
Não é frieza nenhuma os familiares sentirem-se aliviados... quando estao bem informados da situaçao clinica e quando se apercebem da pessima qualidade de vida da pessoa que gostam. No intimo, apesar de ser tabu e "parecer mal" dizê-lo, a sua vontade é que a pessoa parta em paz e pare de sofrer...a sua vontade é que ela morra. Se bem que a parte egoista muitas vezes também está presente e ninguém quer sofrer a perda de uma morte... (mas será que já não perderam?!)

 

Fico-me por aqui...talvez o sono já tenha chegado...

Música: How to save a life....


Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007

Cuidar de amigos...

Bem, hoje  a noite foi muito calma... há muito muito tempo que não tinhamos uma noite em que não tocasse a campainha!!! Estava tudo a dormir como pedras! Bom para nós, mas ainda melhor para eles, porque descanso é quase meia cura!!!

Agora temos lá uns casos bem complicados de pessoas com neoplasias em estado terminal... é sempre complicado estes casos, lidar com pessoas que sabem que vão morrer, é uma questão de tempo! Algumas estão tão lúcidas que até faz confusão o modo como falam sobre a sua morte... Outros estão simplesmente em fase de negação. Continuam a fazer planos para dali a um ano ou dois e depois dizem esses planos aos familiares que ficam chocadissimos e super tristes por saberem que nada daquilo vai acontecer.

No meu entender as pessoas em estado terminal não deviam estar ali, mas sim numa unidade de cuidados paliativos, onde não tivessem nem uma unha a doer-lhe. Ali ás vezes é complicado, por mais analgesia que administremos, raramente os médicos prescrevem fentanil ou morfina. Apesar dos efeitos secundários, é necessario atenta monitorização, e eles ás vezes não estão para isso... mas esquecem-se que as pessoas têm dores só de coçar o nariz!

Não pensem que ali é tudo mau... há pessoas que terminaram a sua vida ali e os familiares verificaram que tudo foi feito para que a pessoa morressem em paz e sem dor. Era um Sr ainda novo, 50 anos, com uma neoplasia no intestino (algures já nao me lembro), que teve uma decandência brutalissima, e em espaço de dias estava irreconhecível. Não havendo mais a fazer (estava mesmo mesmo muito avançado) a médica tomou todas as providências para o Sr se manter sem dores. Quando o Sr faleceu, a esposa, que também era nova, ficou de rastos. Ela nunca se despedia dele tipo:"Até amanhã", era sempre "As melhoras... até um dia". Era estranho, mas devia ser a defesa dela. Às vezes, na hora da visita, percebia-se perfeitamente que a  Srª tinha estado a beber (beber para esquecer?). Bem, mas quando ele faleceu ela escrever uma carta lindissima aos profissionais de saúde a agradecer todos os cuidados em fim de vida que prestámos ao marido dela, e eu tenho a certeza que muito se deveu ao facto dela ter verificado que o senhor pouco se queixava de dores.

De momento temos uma situações muito muito complicada lá. Um dos auxiliares do serviço está lá internado, com neoplasia do pulmão... É uma pessoa espetacular, sempre super atencioso com os doentes e sempre pronto a trabalhar. Um amigo mesmo. E foi logo a ele que isto acontece... O J. está irreconhecível... já mal fala, está sempre com falta de ar, completamente dependente de tudo. É estranho cuidar assim de alguem que conhecemos. Não é que o façamos de maneira diferente só porque o conhecemos, mas é aquele sentimentos, mais que empatia, aquela amizade... somos enfermeiros e visitas simultaneamente. É muito estranho para nós e principalmente para a namorada dele que também é auxiliar lá no serviço. Imaginam o que é? Esta situação está a deixar-nos de rastos e só pedimos que na hora não estejamos ao serviço (alguém tem de estar né... mas que nao seja eu). Se não for connosco parece que custa menos. (Será?)...

Bem, amanha folguinha. A ver se vou a praia que estou branca como a cal...

Beijos e Abraços***

Sinto-me: Isto não devia acontecer...
Música: The fray - How to save a live


Sábado, 16 de Junho de 2007

A descansar...oh sim... a descansar!!!!

Depois de mais alguns dias... voltei voltei...

Finalmente tenho uns dias de folgas... finalmente...estava quase a entrar em parafuso!!! Não é de cansaço físico, é mesmo psicológico... podem não acreditar, mas daqui a pouco sou a "cangalheira" de serviço!!!... Então não é que turno sim turno sim me morre um doente!!!!? Que raios... sei que não tenho culpa, mas bolas...tem de ser sempre comigo!?  

Anteontem deu entrada uma senhora de raça negra, de 44 anos, magrinha magrinha... não falava, não se mexia, apenas olhava para um lado e para o outro. Não cheguei a perceber se ela nos compreendia... Que estaria ela a pensar? Ou onde estaria ela?! Bem, a senhora entrou com SIDA, em fase terminal... Não tinha niguém, foi encontrada em casa assim e sozinha. E sozinha morreu passadas 3 horas de ter entrado. Ninguém foi saber dela, nem o nome sabiamos... que tristeza... enfim...! Este tipo de situações vai-se tornar cada vez mais frequente, pelo número crescente de pessoas contaminadas com o HIV.

Esta história fez-me lembrar uma senhora que esteve lá internada com uma "simples" pneumonia e saiu de lá com o diagnóstico de HIV positivo.  Essa senhora, com idade nos quarentas, casada e com 3 filhos ficou a saber, assim como se de um a trovoada se tratasse, que estava infectada. O Drº nem teve tacto para lhe contar as coisas e foi directo ao assunto, sem preparação nem nada (bem, mas que tipo de preparação pode haver para uma noticia destas?). Como se não bastasse, o Dr contou à Srª no meio da enfermaria (com mais 5 doentes a assistir) e com o marido da doente lá. Imaginem a desorientação! Ele ficou parvo da vida, ela só chora sem saber como e quando tal tinha acontecido. Dizia que nunca tinha tido comportamento de risco, que não sabia porque estava infectada. Disse-me ela mais tarde " A minha vida desabou... parece que iniciei uma queda num poço e sei que no fim estará a minha morte... tenho 3 filhos, será que estão inectados? E se estão... fui eu que os infectei!!! Como posso eu comprometer a vida de alguém assim...? Não fiz por querer, mas sinto-me tao culpada...".  Não soube que lhe responder... percebi que era sincera, que não fazia a mínima ideia como tinha sido infectada...resta-nos a hipótese do marido... sim os maridos que dão a sua escapadela e que depois vão para casa infectar a sua familia. INCONSEQUENTES! (falo do marido neste caso, bem pode ser a mulher!). De facto hoje em dia o cuidado é pouco... como é que há quem ainda não tenh tido noção de tal coisa???

Ontem custou-me muito ir trabalhar... a Sra I piorou bastante... bastante mesmo... anteontem fiquei responsável por ela e ela, apesar de consciente, já nem abri os olhitos. Acenava que si e que não ás perguntas e pouco mais... a médica disse "Deixem-na ir em paz...". Os familiares chegaram e viram o estado dela. Fiquei ali algum tempo, a aconchegá-la, dei-lhe a comida dela sonda, fiz-lhe uma massagem para as dores e aqueci-a com muitas mantinhas, pois ela estava a ficar fria. Disse ao filho dela que podia ficar, mesmo depois da hora da visita. E ele ficou, mais de uma hora e meia depois... despediu-se da mãe e foi embora sem saber que me dizer. Vim para casa e a Sr I estava já a respirar com muita dificuldade...  Ontem quando cheguei ela ainda lá estava...já não respondia, nada... fiquei novamente com ela e sempre que ia vê-la meu coração ficava apertado... quando finalmente deixou de respirar, verifiquei que o coração ainda batia e fiquei lá, a falar para ela e a ver quando é que o coração batia pela ultima vez... e assim ela foi... e o seu sorriso foi com ela... não escondi as lágrimas que me escorriam cara abaixo. Que se lixe, também sou pessoa! Nessa mesma altura chegaram os familiares que já tinham falado com a médica... sem palavras não é?... eles agradeceram-me tudo o que fiz por ela (até parece que consegui fazer muito... ) e disseram-me "ainda bem que foi a senhora enfermeira que ficou com ela hoje...era a enfermeira que ela mais gostava!" Podem imaginar o que sucedeu depois, certo...

Mas agora, não quero pensar em mais nada  do serviço...precisava urgentemente de sair dali... passado muitos dias ali metida começo a ficar com um nó no cerebro, ainda mais com tanta partida!!! Já não consguia ouvir " Srª Enf ª isto, Srª Enf aquilo...." Só respirava fundo, fechava os olhos, dava meia volta  e lá ia por a mantinha, dar um copo de água, ajeitar mais para a direita e para a esquerda... e tanto ainda para fazer!! Vêm os médicos "Srª Enfª é estas analises urgentes para a cama 12". Para a cama 12? Para que parte da cama é que querem que eu tire análises? Das pernas da cama? Do comando ou do colchão!'? Ah... é da PESSOA que está da cama 12...assim está bem... .

E agora? Agora vou DESCANSAR!!!!

Beijos e Abraços...

 

Vazio

(De Alba Luna)

Sinto-me: A descansar
Música: Snow Patrol - Warmer Climate


Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Vidas nas nossas mãos...

Já passou mais uma noite... ufffaaa !!!

Foi uma noite cansativa... parece que demorou séculos a passar... De manhã estava com um ar desolado.... e não é para menos, acho que começo a ficar deprimida por estar tão rodeada de mortes como ultimamente!

Antes de começar a trabalhar, nunca tinha visto uma pessoa morta. Confesso que tenho algum receio... (de quê perguntas vocês... e com razão, não há motivo para ter medo...). São pancas!!! E agora, parece que diariamente tenho que lidar com essa situação (oh para mim a usar eufemismos...).

Não, esta noite não nos abandonou ninguém, mas ia abandonando... um senhor, por quem eu estava responsável, começou a ficar muito preguiçoso para respirar... era necessário estar constantemente a fazer ambú para que o ar chegasse aos pulmões e para que o oxigénio no corpo não diminuísse muito... Mas sempre que eu parava de fazer o ambú lá iam as saturações para baixo... e eu lá voltava a fazer ambú até me doerem as mãos. O médico disse: "Não há muito mais a fazer.... quando quiser pode parar!". Quando EU quiser, morre uma pessoa... nem sei o que pensei na altura. Só me vinham as lágrimas aos olhos. Eu sabia que ele podia aguentar, eu sabia que ele esteve consciente, reconhecia a família apesar de não lhes falar... txi podia agora chamar à conversa um sem número de razões éticas para deixar ir e para apostar para que as pessoas não morram...

O tempo passava... estavam a chegar as 8h (horas da passagem de turno). Estava tudo a minha espera...mas eu continuava a dar ambú .. as saturações subiam.... eu parava... as saturações desciam...e eu continuava a dar ambú .. não conseguia parar, não conseguia ser eu a decidir... ... 8:05h ...eu parei...as saturações de 88%... 87%...88%...89%...89%...89%...89%... e assim ficou... esperei... 89%, 89%...88%...89%...90%... estava a ficar!!! Tinha de ir... fui embora, com nó na garganta.... passei o turno e corri... Saturações 92%!... Ficou!!! Não salvei ninguém... nem sei se fiz bem não a deixar ir, mas porque tenho eu de decidir isso! Não quero, não consigo... sei que o senhor não vai ter outro fim, mas... não consigo decidir quando é que esse fim será!!!

 

Beijos e Abraços...

 

A.Year.In.A.Minute

(De Graça Loureiro)

Sinto-me: depré...
Música: James Blunt - Billy


Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Na hora do adeus...que dizer?

Mais uma manhã.. e oh que manhã!!!

Custou-me tanto levantar cedo.... quase me arrastei até ao  hospital!!!  Se estou cansada hoje, amanhã nem quero imaginar. Vou fazer outra vez 16 horas seguidas.

Hoje fiquei furibunda com uma colega minha... é das que faz os mínimos e quase menos que isso... não ajuda em nada nem que veja as colegas atrapalhadas!!!  Eu não consigo... não consigo ver as minhas colegas a andar de um lado para o outro, ainda banhitos para dar, pensos para fazer e tal...  e ir sentar-me a ler a Nova Gente...Eh pah ... desculpem colegas enfermeiros estar a passar esta imagem da enfermagem, mas a verdade é que há colegas que nãoooo nasceram para ser enfermeiras! Eu tenho medo de lhe pedir ajuda... ela ás vezes engana-se na medicação, inventa sinais vitais ... já viram isto?! Só me apetece fazer queixa... afinal ela pode por em causa a saúde das outras pessoas, mas penso que as pessoas que deviam fazer algo têm conhecimento de algumas "asneiras" ....

Bem, continua tudo tolo com a situação da minha colega ... agora é esperar a ver se ficou infectada não é verdade... a probabilidade é brutal... enfim... mas ao menos já toma medicação.

 

Primeiro as boas noticias, A Srª I (aquela senhora que foi re - internada muito malzito ...) está bem melhor!!! Já ajuda mais nos posicionamentos na cama, já não come pela sonda, já diz algumas piadas.... bem, está melhorzita!!!  Vamos lá ver como vai ser a continuação...

As minhas colegas da noite estavam estafadas...  tiveram uma noite horrível (pior que a minha!), tudo porque está lá internada uma senhora alcoólica que, quando está em abstinência, fica completamente desorientada, agressiva, verborreica (fala, fala, fala....), e com coprolalia (só diz asneiras). A senhora causou o caos na sua enfermaria , tendo quase provocado enfartes do miocárdio ás restante colegas de quanto... a única que não se apercebeu na balbúrdia foi uma senhora que acabou por falecer as  5h da manhã, mas que mesmo assim ainda foi atingida pela "loucura". A senhora F (que estava em abstinência alcoólica ), começou a ouvir vozes e a ver homens; achou que a doente da cama 3 era o seu marido e atirou-se a ela com unhas e dentes, fazendo a senhora levantar-se e correr pelo serviço! As minhas colegas mais os 2 auxiliares bem tantaram segurar a senhora F , mas parece que lhe nasciam forças. Só dizia asneiras, chamava-lhes tudo o que se consigam recordar que pode ofender alguem, bateu-lhes, sabendo perfeitamente onde atingir homens e mulheres! Resultado...fez milhentas medicaçoes para acalmar (metade pareciam água para ela...ou seja, não fazia efeito nenhum) e teve de ficar super hiper mega imobilizada na cama!!! Imaginem lá o drama familiar desta mulher... o marido dela tem de conviver com ela a ter estas desorientações frquentemente...e a vida social, como será? E a dificuldade que é manter a humanidade desta mulher? Quem é que se pode sentir digno preso como um "cristo" á cama?...  é dose... !!!

Na manhã a senhora esteve mais calma... colocaram-na num quarto sozinha para não ter tantos estimulos externos para a exaltar!

Hoje tive um doente que não sei se estará lá quando for trabalhar amanhã... piorou num ápice... e da confusão mental passou para uma prostaçao sem retorno...  patologia neoplasica avançada, figado quase inexistente... e está traçado o prgnostico!

A familia chegou e a esposa nem queria acreditar "que ia ficar sem o querido companheiro"! Dizia-me ela de lágrima nos olhos... olhando para ele e para mim como se eu conseguisse fazer mais do que dar-lhe conforto... Ela disse-me que algum tempo antes do internamento ele a tinha chamado e sem nada o prever, a abraçou "tão tão forte como nunca antes" e lhe disse "minha queria esposa...minha amada desde há 50 anos... despede-te de mim...despede-te de mim para sempre porque eu vou embora e vou embora depressa!"

Enquanto a esposa contava esta situação os meus olhos humedeciam-se... 50 anos depois ainda havia aquele carinho, aquela amizade e companheirismo... o modo como ela falava do seu companheiro, de como ele era a vida dela e ela a dele...e  agora ela ia ficar só .... e que raio de previsão esta do seu marido que ainda antes de estar internado já sentia que ia partir? Há coisas que não se explicam...

Fiquei lá com a esposa do senhor...em silêncio... que dizia eu? Mas fiquei lá... a responder as suas questões práticas, a ouvir as retoricas... até que chegou a hora de ir embora e lá me despedi... dela e dele...

Por agora, despeço-me de vocês. Beijos e abraços. Obrigado pelos comentarios!

 

Yer Shadow Smiles at Me

(de Miguel Delgado)

 

 

Sinto-me: furibunda, triste, cansada...
Música: Nelly Furtado


Terça-feira, 22 de Maio de 2007

E é na noite que tudo acontece....

Estou estafada... KO ... nem sei descrever ...

Não é novidade fazer 16 horas seguidas, mas 16 horas iguais ás de ontem.... pufff é de fugir!!!

Vamos lá ver se consigo dar uma panorâmica ... Fizemos turno a 3. Uma das minhas colegas está grávida , logo o trabalho pesado sobrou para mim e para a outra minha colega. Resultado: dores de costas!!!

Fiquei responsável por 9 doentinhos... homens e mulheres...

1. O Sr . G - tinha uma colonoscopia marcada para hoje de manhã...logo ontem durante o dia tinha de ingerir 3 litros de um liquido (SELG ) para ajudar a limpeza dos intestinos. Mas, e fazer com que o Sr . ingerisse os 3 litros? Foi um 1,5L e muito aldrabado...  por mais que explicasse e voltasse a explicar, por mais que insistisse para que o Sr ingerisse o SELG .... ele não queria e não queria... à noite tive de lhe fazer um enema de limpeza (clister), 2 litros no total... e a água de retorno saía sempre suja (quando devia sair água limpa). Logo, como o intestino ainda não estava em condições , lá fui eu logo ás 6h da manhã pedir licença ao Sr para lhe introduzir novamente o enema de limpeza... mais água de retorno suja, e no total introduzi 4 litros de água no intestino do Sr .... ele pouco se importando se chegasse ao exame e estivesse mal preparado..só reclamava que tinha fome!

 

2.  O Sr . C - este senhor está internado há bastante tempo... tem úlceras de pressão (ou escaras ) por todo o corpo... um pequeno toque é o suficiente para lhe provocar um sofrimento atroz e para ouvir um queixume agónico de 40 minutos... está a fazer medicação analgésica, a meu ver insuficiente. O que me custa não saber como mobilizar, não saber o que dizer ... diga-se que o Sr está em fase terminal... mas ontem a familiar perguntou-me como seria quando o levasse para casa... não perspectivo alta para este Sr ...não entendo como é que os médicos não comunicam com os familiares e porque razão não lhes dão a real noção do estado do doente...enfim...

Resumindo, este é um doente a quem se tem de fazer tudo... alimentar por sonda, mudar fralda, mudar as posições na cama, fazer massagem de conforto... tudo!! Ah, além de que está infectado com um "bichinho" multirresistente a antibiótico e nós (profissionais) só sabemos há 2 dias...

3. A Sr ª V - Meus Deus o desassossego que foi com esta senhora... est á completamente confusa!!! Mas de um modo que não se percebe! Tem de fazer oxigénio continuo por mascara facial , senão as saturações do oxigénio diminuem perigosamente para os 70% (o ideal é do 95% para cima), o que pode provocar uma série de complicações que nem vale a pena agora enumerar ! Mas a senhora, por mais que se explique e volte a explicar não quer fazer oxigénio nem por nada... resultado, fica ainda mais confusa...  Nestes casos é complicado administrar medicação para "acalmar" porque pode diminuir o centro respiratório (o que já é problema da doente), então , dado que a sr ª atenta contra a própria vida foi necessário imobilizá-la nos membros superiores... Só que a Srª parece o David Cooperfield! Sempre que voltávamos para perto dela já estava sem máscara, toda enrolada nos lençóis , sem fralda... e só não estava urinada porque tinha algália - que ela ia tentanto retirar também! Mas, ás 4 da manhã, depois de varias tentativas de levante (tivemos de a imobilizar também do tronco) a senhora resolver retirar o acesso do soro e evacuou na cama (porque tinha tirado a fralda). Resultado: pinturas rupestres de sangue e fezes pelas cama e pelo seu corpo, o que deu direito a cuidados de higiene completos... ás 4h da manhã!!!

Provavelmente o facto de ter imobilizado esta senhora pode ter ferido algumas susceptibilidades... é algo que detesto  e que faço só em ultimo recurso, quando a medicação não faz efeito ou não pode ser aplicada e quando os doentes podem por em perigo a sua saúde. Ou imobilizava a Sra ou fica ali de guarda a noite toda... e tendo em conta os restantes 25 doentes, não me parece viável ...

 

4. O Sr . M - outro doentinho que necessita de ajuda total para tudo... e que para agravar está com diarreia...mas daquela que suja fralda, lençol, cama, camisa... é mudar a cama sempre que se muda a fralda...Ora se o sr está de diarreia, imaginem as vezes que mudei tudo!!!

 

5. O Sr . J - Durante o dia nem se dá por ele.. á noite pendura-se nas grades da cama, nuzinho e a urinar tudo!!! De facto à noite acontece de tudo... mais um para mudar a cama, lavar e voltar a vestir...

 

6. O Sr U - De dia... um santo... à noite tira todos os tubos que tem no corpo... nomeadamente a sonda da alimentação ....  toca a entubar ... não é agradável nem fácil...

 

7. A Sr ª A - Agravou-se o estado respiratório e as tensões começaram a aumentar... bipa-se a Dr: "perfusão de DNI " - o que significa avaliar tensões arteriais de hora a hora... ás vezes esquecem-se que estamos numa enfermaria, não numa UCI ... mas pronto...

 

8. A Sr ª C - Já se esperava...  nada havia a fazer...hemorragia interna brutal... 7h lá nos deixou a Sra C... não sei que comentar em relação a esta senhora ... é sempre a perda de uma vida... mas tanto sofrimento que existia ali... Fui eu que cuidei do corpo depois do falecimento. É mania minha, mas falei com ela como se estivesse viva... "vou levantar a cabeça, vou ter de colocar aqui umas ligaduras, vou virar para aqui e para acolá ... descanse em paz..."

 

9. Sr ª M - Dormiu...

 

E foram assim os "meus" 9 doentinhos...sem esquecer que existiam mais 19.... também com os seus problemas e desorientações ... aposto que esta manhã os senhores e senhoras estavam bem mais orientados, dormiram a manhã toda, não tiraram tubos nem se despiram ... de facto, é a noite que tudo acontece!!!! 

 

(Autor: José Martins)

Sinto-me: KO, desorientada...
Música: Snow Patrol - Chasing Cars


Sábado, 19 de Maio de 2007

Entre a morte e a desorientação...

Ela sorriu... :) ela sorriu!!! A Sr ª re-internada ontem, sorriu para mim novamente... já valeu a pena o dia... é por estes pequenos momentos que vale a minha profissão!!! Ela não está melhor... receio mesmo que não vá melhorar como das outras vezes... As vezes não sei se me aproximo ou me afasto... se me aproximo sei que sofro, se me afasto é por defesa... mas não me interessa... se puder estarei sempre lá nos momentos do adeus, estarei lá para confortar o melhor que puder, mesmo que por vezes não consiga dizer nada... mas há gestos que valem por muitas acções!!!

Desde que trabalho já tive vários doentes que morreram, mas nunca consegui estar presente por muitas e varias razões... Sim, é verdade, infelizmente há pessoas que morrem sozinhas, mesmo rodeadas de gente, morrem sozinhas. Sinto que por vezes é falha nossa, mas também sei que nem sempre é culpa dos profissionais, mas do trabalho em si.

Não sei se têm noção... mas há turnos em que tenho à minha responsabilidade 10 a 11 doentes... há quem tenha mais, há quem faça noites responsável por mais de 20 doentes... e é muito difícil assim conseguir dar o acompanhamento necessário em todos os momentos... é difícil conversar com as pessoas.  Já imaginaram estar internados e não ter visitas? E as pessoas à vossa volta não terem 5 minutos para vos falar, sem ser para perguntar se têm dores, alguma queixa, ver as tensões arteriais e as temperaturas... imagino que deva ser muito deprimente ficar assim, por vezes, uma semana.   Frequentemente tento colocar-me no lugar da pessoa a quem presto cuidados, e por imaginar que seja assim tento ter um tempinho nos meus turnos para conversar um pouco, falar algo mais sem ser "o habitual". E aprende-se imenso...conhece-se pessoas com vidas espectaculares e enriquece mesmo muito. Só que este "tempinho" que tento ter é muito muito raro....há sempre imenso trabalho e bem... existem prioridades!!!

Ser enfermeiro é também um perigo... ontem um doente tentou morder a minha colega... ele pensava que estava na tropa e que o estávamos a obrigar a comer. Queria até levar-nos ao sindicato dele... pois é... o que vale é que a minha colega foi mais rápida e lá conseguiu retirar o braço a tempo!!! Depois o senhor começou a preparar-se para pontapear quem estivesse a frente... e tudo porque era hora de almoço e o senhor, que não comia desde o dia anterior, dizia que tinha fome mas que só comia o que bem lhe apetecia. Dizia "detesto sopa!!!", mas no dia anterior devorou 2 tigelas... é assim...uma pessoa desorientada por períodos ! Hoje o Sr estava bem mais calmo e orientado e lá voltou a devorar 2 tigelas de sopa! Quando em conversa com ele lhe dissemos: "Sabia que ontem tentou morder uma colega nossa?", ele responde muito admirado:" Eu? Não podia ser eu.... nem tenho dentes...!"... enfim...

Amanhã vou fazer tarde... as tardes são mais calmas... não há banhitos para dar (a não ser que um doente resolva fazer pinturas rupestres de fezes pelo seu corpo e pela cama), temos mais tempo para falar com os doentes, para fazer as coisas com calma...gosto das tardes! Fazer tarde tem a vantagem de não ter de me levantar cedo...o que melhora em 30% as minhas capacidades... ehehe ...adoro dormir! E é o que vou fazer agora... uma sestinha !! Bye ...

Beijos e Abraços!!

Eu Vou Mas Volto

(Obrigado Raul Alexandre - autor da foto).

Sinto-me: Cansadita...
Música: Michael Buble - Home


Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


tags

todas as tags

Links

blogs SAPO

subscrever feeds